Gestão de energia elétrica é comprar bem a energia (R$/kWh), utilizar bem a energia (kWh/produção) e fazer isso com a menor quantidade possível de recursos (pessoas/equipamentos/processos). Assim, seu principal objetivo é ajudar as empresas a alcançarem a eficiência energética e se manterem eficientes ao longo do tempo, produzir mais com menos energia (R$/produto).

Esquema da gestão de energia elétrica

Este termo tem gerado confusão na oferta de serviços ao mercado, de um lado alguns fabricantes de sistemas de medição de outro lado empresas que administram portfólios de energia dos seus clientes.

O fato é que gestão depende de ação e não de produto (que é apenas um meio), é realizar as atividades certas, da maneira correta, no momento certo com os recursos, fornecedores e pessoas certas.

Para ajudar as organizações a implementarem ações de melhoria contínua e, assim, adotarem a gestão de energia em suas rotinas, foi criada a ISO 50.001, norma internacional desenvolvida para apontar as melhores práticas de gestão de energia e eficiência energética.

Gestão de energia elétrica segundo a ISO 50.001

A ISO 50.001 é uma norma que estabelece um conjunto de ações e práticas para permitir que as organizações estabeleçam os sistemas e processos necessários para melhorar o desempenho energético, incluindo a eficiência energética, uso e consumo.

Segundo o site da Abesco (Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia), “esta Norma é aplicável a todos os tipos e tamanhos de organizações, independentemente de condições geográficas, culturais ou sociais. A implementação bem sucedida depende do comprometimento de todos os níveis e funções da organização e, especialmente, da gestão de topo”.

Checklist "Gestão de Energia"

Assim como a já conhecida ISO 9001, esta norma baseia-se em um modelo de gestão de melhoria contínua, e isso torna mais fácil para as empresas adotarem o gerenciamento de energia como prática diária.

Para que uma organização obtenha a ISO 50.001 é preciso:

  • Desenvolver uma política para o uso mais eficiente da energia;
  • Fixar metas e objetivos para atender a essa política;
  • Usar dados para melhor compreender e tomar decisões sobre o uso de energia;
  • Medir os resultados;
  • Rever como a política funciona;
  • Melhorar continuamente a gestão da energia.

Uma forma para que as empresas, principalmente as grandes consumidoras, consigam praticar a gestão de energia elétrica seguindo o preceito da melhoria contínua é implementando a gestão por meio do modelo do ciclo PDCA, utilizado em milhares de empresas para controlar e proporcionar melhoria contínua de processos, produtos e serviços.

Planejamento da gestão de energia elétrica

Primeiramente, a empresa precisa se planejar. Para isso, é preciso estabelecer os objetivos e metas que se quer atingir com a gestão e estruturar os processos necessários para alcançar tais resultados. Isso, no entanto, só será possível se a empresa tiver ciência da sua situação atual e das consequências de manter tudo como está, saber o que é possível fazer para praticar a gestão de energia elétrica e conhecer melhores práticas e tecnologias utilizadas no mercado.

Para que a sua empresa possa compreender qual é sua situação atual, é possível lançar mão de medir seu consumo de energia, ter controle sobre seus contratos de demanda, avaliar sua infraestrutura, enfim, coletar todos os dados possíveis para ter um diagnóstico completo e claro da situação energética do negócio.

Desenvolva o plano para ter eficiência energética

Quando sua empresa tiver um diagnóstico sobre a situação da energia elétrica e um planejamento adequado, é hora de executar o plano. É nessa etapa que serão gerados dados e métricas essenciais para as tomadas de decisão futuras. Portanto, é preciso seguir a risca o planejado e coletar todas as informações para gerar indicadores precisos.

Dependendo do que sua empresa planejou, é hora de trocar ou fazer manutenção de equipamentos, rever seu contrato de energia, buscar alternativas sustentáveis, processos mais eficientes, etc. Lembre-se, porém, de todas as ações devem ser mensuráveis para que seja possível calcular seu impacto no objetivo e nas metas traçadas.

Cheque os resultados obtidos

Crie uma rotina de análise dos seus resultados. Algumas métricas devem ser visitadas toda semana, mas algumas somente uma vez por mês. Mas nunca deixe de olhar nenhum dado ou métrica e atualizar seus indicadores.

Além disso, compare os resultados com o que foi planejado, com o que foi alcançado em meses anteriores e também com o mesmo período do ano passado para prever tendências ao longo do tempo.

Checar os resultados periodicamente é importante também para que, caso necessário, você possa adequá-lo a mudanças no planejamento, processos ou situação da empresa.

Hora de agir!

Esse é o momento de tomar ações corretivas sobre as diferenças significativas entre os resultados reais e planejados. A empresa precisará indicar onde deve aplicar as mudanças que incluem a melhoria de processos ou até mesmo do produto ou serviço.

Após as análises, portanto, a empresa deverá saber se as ações que precisa implementar são corretivas (quando o que foi executado não está de acordo com o que foi planejado), preventivas (quando a empresa vislumbra algum problema em potencial que a impeça de executar suas ações futuras e atingir o objetivo proposto) ou de melhoria contínua.

Tecnologias para a gestão de energia elétrica

É importante que as empresa façam uso das tecnologias disponíveis para ajudar na gestão de energia. Elas devem ajudar, por exemplo, a aumentar a produtividade de quem faz a gestão de energia, organizar as atividades e simplificar a gestão apontando de forma automatizada o que, como e quando deve ser feito para que se alcance eficiência energética.

Essas tecnologias podem ser apenas software, só hardware ou ambos, mas os resultados que entregam devem ter retorno atrativo sobre o investimento feito.

Além disso, tecnologias para gestão de energia elétrica devem gerar indicadores para que a organização possa tomar ações de correção ou mesmo de melhoria contínua. A partir dessas informações, tecnologias inteligentes indicarão as ações que precisam ser executadas.

Conclusão

Fazer gestão de energia elétrica é o primeiro passo para que as organizações possam reduzir custos de forma eficiente, sem impactos negativos em sua operação.

É ainda importante que a gestão de energia seja feito seguindo os preceitos da ISO 50.001, de melhoria contínua em busca da eficiência energética. Para isso, é possível seguir o ciclo PDCA para implantar a gestão de energia de forma simples e prática.

Você tem alguma dúvida sobre gestão de energia? Fale com um dos consultores da Beenergy.

Peça uma demonstração da Beenergy

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *